A soberba ganhou da inteligência

0
233
Artigo: Receita de vencedor

Marcelo S. Tognozzi

André Maginot tinha 37 anos e era deputado quando se alistou no exército francês como voluntário e marchou para o front de Lorraine em novembro de 1914.  Como soldado ficou conhecido pelo sangue frio e a coragem. Promovido a sargento, foi ferido durante uma batalha em Verdun e por pouco não perdeu uma perna. Com o fim da Primeira Guerra, Maginot voltou à política como um dos homens mais influentes do governo francês. Em 1929 foi nomeado ministro da Defesa e bancou a construção de uma grande fortificação ao longo da fronteira com a Alemanha, a qual custou 3,3 bilhões de francos e acabou levando seu nome.

A linha Maginot, como ficou conhecido o complexo de defesa francês, foi inaugurada em 1936, mas seu idealizador não viu a obra pronta. Morreu de tifo 4 anos antes. Os franceses acreditavam na eficiência da sua linha de defesa para conter o avanço de Hitler, mas ela de nada serviu quando os alemães invadiram a França na primavera de 1940. 

É inevitável lembrar de Maginot quando lemos 2 documentos produzidos pelo governo dos Estados Unidos: National Biodefense Strategy, da Casa Branca, e o National Biodefense Strategy do United States Accountability Office. No documento da Casa Branca, de 2018, não há a palavra China e a palavra vírus aparece 2 vezes nos comentários iniciais. Já o documento do Accountabilitity Office (agencia independente que trabalha para o Congresso), de fevereiro deste ano, a palavra China aparece 1 vez num parágrafo onde o país é citado junto com Irã, Rússia, Coréia do Norte e Síria como usuário de armas biológicas.

Ambos os documentos são recheados de normas de condutas e protocolos de ação minucionsos para o caso de ameaças biológicas, mas nenhum deles, nem mesmo o produzido em fevereiro deste ano, quando o mundo todo já sabia da gravidade da ameaça do coronavírus e as primeira vítimas morriam na Itália, propuseram ações preventivas capazes de prevenir o caos instalado nos hospitais de cidades como Nova Iorque. 

Os americanos estavam em plena guerra econômica com a China e hoje dependem dela como fornecedora de material hospitalar. A Rússia, fustigada pela Arábia Saudita com a derrubada do preço do petróleo, se tornou aliada preferencial da China e agora envia ajuda humanitária à Itália. Que virada!

A imagem da linha Maginot não serve apenas para os Estados Unidos, mas também para a Europa, onde os serviços de inteligência da União Europeia foram incapazes (pelo menos até onde se tem notícia) de detectar e prevenir a ameaça do coronavírus. Há várias analises e artigos publicados, por exemplo, nos sites Infoguerre (https://infoguerre.fr/2020/04/chine-russie-exploitent-crise-sanitaire-a-fins-politiques-geopolitiques/) e Ecóle de Pensée sur lá Guerre Économique (http://www.epge.fr/premieres-lecons-a-tirer-de-la-pandemie-mondiale-du-covid-19/), ambos ligados à Ecóle de Guerre Économique de Paris, um dos maiores centros de estudos de inteligência do mundo. 

Mas seus autores parecem estar mais preocupados em acusar a China e a Rússia de produzirem ações de desinformação e mostrar a falta de controle dos governos da União Europeia diante da pandemia do que em apontar onde errou a inteligência quando não municiou na hora certa os tomadores de decisão com informação relevante o bastante para a adoção de medidas de prevenção para impedir ou amenizar o caos sanitário e econômico instalado a partir de fevereiro.

As deficiências nos sistemas de inteligência de americanos e europeus têm na soberba a mesma origem do fracasso da linha Maginott. Ambos subestimaram os adversários, sejam humanos ou microbiológicos, convencidos de que seus sistemas de governo e modo de vida eram por si só anticorpos a qualquer tentativa de desestabilização ou contaminação. Estavam – e continuam – mais preocupados com o terrorismo jihadista e sua criatividade sem limites.

O coronavírus se transformou no imponderável, embora perfeitamente previsível desde que o primeiro doente caiu de cama em Wuhan, cidade com 12 milhões de habitantes e um dos principais centros comerciais da China. Alvo certo para qualquer profissional de inteligência, seja de embaixada ou do setor privado. É improvável que os informes produzidos dentro ou fora da China não tenham chegado a tempo. Mas é certo que as decisões corretas não foram adotadas a tempo e o resultado é este que assistimos todos os dias nos meios de comunicação: governantes perdidos e batendo cabeças.

A realidade nua e crua nos mostra os 2 polos econômicos mais importantes do mundo ocidental sendo obrigados a improvisar, a disputar a qualquer preço carregamentos chineses de material hospitalar, enquanto sua população está trancada em casa e a economia derretendo sem que ninguém saiba dizer com certeza como e quando será o fim da crise. 

Não estão em xeque apenas a economia e a forma como o ocidente gerencia a saúde das pessoas, mas sim todo um sistema de inteligência dos países ricos até aqui extremamente eficientes para combater o terrorismo, a imigração ilegal e as chamadas ideologias extremistas, mas incompetente para proteger seus países e nações aliadas contra uma pandemia que simplesmente quebrou o lado de cá do mundo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui