Keynes, Roosevelt e a receita para a economia

0
228

Artigo: Receita de vencedor

Marcelo S. Tognozzi

           Franklin Delano Roosevelt tinha 1,88 metro. John Maynard Keynes, era 10 centímetros mais alto. Roosevelt estudou em Harvard e Kaynes no Kings College. Eram da mesma geração dos anos 1880 e morreram pouco depois dos 60 anos, ambos no mês de abril. Roosevelt e Keynes nunca foram amigos, porém ganharam fama e prestígio a partir da grande depressão de 1929. Roosevelt a derrotou com o New Deal, grande programa de estímulo à economia capaz de tirar os Estados Unidos do buraco com uma injeção de US$ 4 bilhões em valores da época. Ficou casado com a mesma mulher por 40 anos, teve seis filhos, morou 12 anos na Casa Branca, derrotou Hitler e transformou o dólar numa moeda interplanetária. Depois dele, o mundo nunca mais seria o mesmo.

Keynes, um inglês rico e depravado, desenvolveu sua Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda a partir da experiência da grande depressão. Escrita em 1936, a obra mostrou que o caminho para reerguer um país passava pelo poder público financiando o consumo dos trabalhadores e garantindo o capital de giro das pequenas e médias empresas. Transformou a prática de Roosevelt em teoria econômica.

Segue esta cartilha o governo de Boris Johnson ao garantir pelos próximos 120 dias 80% dos salários dos ingleses com rendimentos de até 2.300 libras por mês. Trump fez o mesmo com seu pacote de US$ 2 trilhões e um cheque de U$S 1.300 para os trabalhadores com renda de até US$ 6.500 mensais.

Trump e Jonhson aprenderam com Roosevelt e Keynes e estão protegendo seus países, impedindo uma quebradeira generalizada e garantindo a sobrevivência financeira de cidadãos e pequenas e médias empresas. É a experiência do passado garantindo o futuro. A solução é exclusivamente coletiva e somente assim se preserva um povo, uma cultura, uma civilização.

A crise não é financeira, nem econômica: é de saúde pública. Tão grave quanto uma guerra pelo grau de incerteza, insegurança, abatimento psicológico e moral das pessoas. Neste momento podemos salvar vidas de duas maneiras: melhorando as condições sanitárias e de atendimento dos hospitais e garantindo a sobrevivência econômica dos cidadãos, sejam operários ou empreendedores, autônomos ou profissionais liberais. Lá nos anos 1930, 1940 Keynes dizia que o governo precisava contratar uma turma de trabalhadores para cavar uma valeta de dia e outra turma para tapar esta mesma valeta de noite. E que único objetivo deste trabalho de Sísifo era manter a economia girando. O governo militar adotou esta solução criando as famosas frentes de trabalho durante a crise do petróleo nos anos 1970.

O país está lento nas respostas. O ministro da Economia reagiu como avestruz: trocou Brasília pelo seu apartamento no Rio de Janeiro e na última sexta-feira Paulo Guedes foi fotografado e filmado pelo programa Faixa Livre da Bandeirantes caminhando na praia do Arpoador sem camisa e de boné como se estivesse em outro planeta. A professora Gina Paladino, economista brilhante e gestora experiente de projetos sociais de sucesso em Curitiba, lembra o ensinamento de Keynes: “liberais como Guedes não contam com instrumentos de ampliação de gastos e de déficits públicos necessários transitoriamente para sair mais rápido das depressões econômicas. O New Deal mudou a política econômica liberal e nos anos 1940, no pós-guerra, o Plano Marshall validou ainda mais as teses de Keynes”.

O ministro da Cidadania Onyx Lorenzoni foi mais rápido e eficiente que o colega da Economia. Soube entender a situação em toda sua dimensão e propôs saídas: colocar mais dinheiro no bolso do cidadão comum, seja através do Bolsa Família ou de outros programas. Pagar uma ajuda em dinheiro vivo para os autônomos e reforçar a atenção aos idosos. Entendeu, como Johnson e Trump, que o dinheiro de hoje fará o Estado arrecadar mais e melhor amanhã. Na quinta, o Congresso foi nesta linha e votou uma ajuda de R$ 600 para os autônomos.

Ainda falta cuidar dos pequenos e médios empresários. E não é arrancando R$ 50 bilhões das grandes empresas, como imaginam alguns deputados – todos, por sinal, muito bem de vida, obrigado. Taxar empresas neste momento é suicídio. O certo seria taxar as grandes fortunas, mas para isso é preciso mais coragem que bom senso. Um imposto como este renderia R$ 50 bilhões em muito menos tempo.

Enquanto isso, o microempresário dono da lanchonete da esquina acaba de entrar no inferno. Teve de jogar fora do seu estoque de perecíveis, guardou outra parte no frízer rezando para o prazo de validade não vencer e segue bancando despesas de luz, celular, aluguel e de pessoal caso tenha restado algum empregado. Cedo ou tarde o dinheiro secará, ele terá de demitir e ficará devendo. Quando a crise passar, estará quebrado, endividado, sem dinheiro para repor o estoque e os empregos. Os preços subirão pressionados pela demanda. Tudo o que este sujeito precisa no momento é de capital de giro para conseguir sobreviver e não ter de encarar uma inflação pronta para dar o bote.

Uma grande economia como a do Brasil é totalmente encadeada e interdependente. O jeans vendido numa butique de luxo da rua Oscar Feire, em São Paulo, começa a ser produzido na colheita de algodão do Mato Grosso. Cada item consumido no McDonald’s ou no Burger King é feito com ingredientes trazidos de centenas, às vezes mais de 1.000 quilômetros de distância de uma loja no Rio ou Belo Horizonte. Passa o mesmo com o papel higiênico, papel A4 das impressoras, eletrodomésticos, cosméticos, remédios, vacinas ou combustíveis. Tudo transportado no lombo dos caminhões.

Governos engajados na lógica Roosevelt-Keynes preservam empregos, produção e especialmente a sobrevivência digna das pessoas. O Brasil é um país vulnerável a desgraças como o coronavírus, porque a maior parte da sua população é pobre, tem déficit de nutrição e é incapaz de enfrentar uma crise como esta sem apoio do poder público. É um preço que todos nós, a coletividade, ricos ou remediados, teremos de pagar para sair desta crise de cabeça erguida, porque fome e desemprego são combustíveis do caos social. Nunca é demais lembrar que durante os governos Figueiredo e Sarney supermercados foram saqueados. Nas secas mais duras do Nordeste, famintos dizimavam feiras como gafanhotos.

Roosevelt ficou paralitico aos 39 anos, vítima de poliomielite. Um dos seus biógrafos escreveu que ele se levantou de uma cadeira de rodas para reerguer uma nação de joelhos. Fez tudo isso com coragem e mobilização. Construiu um grande acordo nacional, a solução coletiva que mais tarde Keynes sistematizaria na sua Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda. Ambos uniram prática e teoria para mostrar que a saída de crises como esta não passa por soluções mágicas nem na bem embalada marquetagem dos demagogos. Mas pelo entendimento dos homens públicos de que sem o cidadão comum não venceremos esta guerra. A hora é de aprendermos com os acertos dos vencedores que mudaram o mundo, ao invés de insistir nos erros de sempre. A dificuldade real não reside nas novas ideias, mas em escapar das antigas.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui